domingo, 8 de novembro de 2009

A Paz no Mundo

Em “homenagem” às 3 línguas diferentes que tenho andado a falar (pronto, duas e meia...):




A paz no mundo começa dentro de mim
quando eu me aceito, de corpo e alma,
e reconheço meus defeitos, com paciência e calma,
e em vez de me fragmentar em mil pedaços
eu me coloco inteiro no que penso, sinto e faço
passageiro no tempo e no espaço,
sem nada para levar que possa me prender
sem medo de errar
e com toda vontade de aprender.
A paz no mundo começa entre nós
quando eu aceito o teu modo de ser
sem me opor ou resistir
e reconheço tuas virtudes sem te invejar ou me retrair,
e faço das nossas diferenças a base da nossa convivência
e em lugar de te dividir em mil personagens
consigo ver-te inteiro, nu, real,
sem nenhuma maquilhagem,
companheiros da mesma viagem
no processo de aprendizagem do que é ser gente.
A paz no mundo começa quando as palavras se calam
e os gestos se multiplicam,
quando se reprime a vergonha e se expressa a ternura,
quando se repudia a doença e se enaltece a cura,
quando se combate a normalidade que virou loucura
e se estimula o delírio de melhorar a humanidade,
de construir uma outra sociedade,
com base numa outra relação,
em que amar é a regra, e não mais a excepção.

(Geraldo Eustáquio de Souza)
.

Etiquetas:

4 Comments:

At 08 novembro, 2009 22:36, Blogger Farinha said...

O meu comentário não tem nada relacionado com este belo poema.
Mas tendo conhecimento que ficou admirado do ferry realizar viagens entre a Madeira e Portimão em menos de 24 horas, convido-o a visitar o meu Blogue e constatar o novo ferry que efectuará as referidas viagens para o próximo ano.

 
At 09 novembro, 2009 00:38, Blogger Zig said...

Farinha:

Parece-me bem, desde que o preço esteja em conta...;)

Mas é sempre melhor do que voar naquelas latas de sardinha, peeenso eu de que :)

 
At 09 novembro, 2009 01:04, Anonymous Anónimo said...

Poesia linda!!!

 
At 09 novembro, 2009 09:28, Blogger Zig said...

Anónimo:

:))

 

Enviar um comentário

<< Home